quarta-feira, 17 de maio de 2017

De manhã


A cachorra lambe a pata
Repetidamente
E finca os dentes
De repente
E morde.

Parece que coça e para.
Olha pra mim
Olha pra nada
Boceja uma demora.

Ergue a orelha então
Atenta a um som
Que a faz levantar
E caminhar.

As unhas arrastam no chão,
Grandes demais.
A cachorra para adiante
E olha aqui atrás.

Sacode a cabeça,
Bate pesada a orelha
Na cabeça pesada
Do lado e em cima.
Orelha bate tanto
Que incomoda.

A cachorra volta
Deita perto
E boceja.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Responsabilidade Afetiva


Esse é um passo
A passo
De como causar
Descompasso
Num afeto
Desavisado.

Passo número um:
Defina responsabilidade afetiva
De maneira assertiva.
Ou seja,
Veja:
Não defina,
Copie e cole
O link acima.

Passo número dois:
Deixe a conversa
Pra depois.
Melhor: nem converse,
Apenas chame breve
Atenção
Para a questão,
Tal sensato cidadão.

Passo número três:
Espere entendimento talvez
Porque a reflexão
É de difícil execução.
E responsabilidade afetiva
Não permite contrapartida.
(Graças a Deus!)

Passo número quatro:
Assuma silêncio farto.
Lembre:
Você faz um bem
A esse alguém
Irresponsável,
De atitude
Indefensável.

Passo número cinco:
Não duvide
De seu bom mocismo.
Passo número seis:
Volte ao três,
Pois virão os porquês.
Prova de que esse sujeito
Não alcança você.

Definição bem-vinda
De responsabilidade afetiva
Em caso de dificuldade
No leitor de pouca maturidade:

Seja responsável
Pelas ilusões que cria
Pelo afeto que cisma
Que sente
E pelo outro que sente
Ausente.

Dar as mãos não é
Beijar não é
Bom dia não é
Ver a mãe não é
O que você acha que é
A não ser que se diga que é.
E cada passo que der
Cada sensação que vier
Cada desejo que quiser
Fale!
Senão não é.
Senão você é
Irresponsável.

Eis aí o favor
De esclarecer
E me desvincilhar
Da sua dor.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

O Não


Quando ele me disse não
Virei as costas e saí.
Antes me abraçou e disse
Coisas que nem sei
Só virei as costas e andei.
Conforme andava,
Da rua pra calçada
Pela multidão alvoroçada,
Nos paralelepípedos tropeçava
E os olhos já cheios d'água
Que caía quando esbarrava
Num espaço de ar
Que se ausentava.
Quando ele disse não
Já tinha dito a noite inteira
Não e não em cadeia,
Saindo apressado para chegar
Apressado noutro lugar.
E o que eu quis falar
Foi virando reticência
Que uma hora, já
Pelo fim da noite tensa,
Se tornou remendo de carência.
Negado fui enfim
Ao fim de algum sim
Que alguém deu
Para outro que não eu
Naquela mesma noite
Ali perto ou mesmo longe.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Barriga


Passo o pé na barriga
Da cachorra virada para cima.
Ela fecha os olhos quase
como quem encara luz forte.

Os espaços onde existem dobras,
Como debaixo das patas
Junto ao peito,
São quentes
E aquecem meu pé.

É um exercício de esquecimento
E pertencimento:
Enquanto esqueço o tempo que passa,
Pertenço ao tempo que para.

Melhor mesmo é ser cachorro,
Que não tem tempo pra contar.